Enredes lança Rede Construção Sustentável

Redação enredes / 12 de maio de 2021

Embora haja muito espaço para avançar, é fato que a sustentabilidade vem evoluindo bastante na cadeia da construção civil brasileira. Um indicador é o elevado número de edifícios certificados com diferentes selos verdes no país. Nos últimos quinze anos, foram mais de mil projetos que conquistaram essa chancela com o apoio do CTE. Outro progresso notável foi a ampliação do mercado de certificações ambientais, permitindo levar esse movimento para além das fronteiras dos edifícios corporativos. “Hoje, certificamos projetos com tipologias e escalas variadas, desde indústrias, galpões logísticos, hospitais, instalações educacionais e esportivas, até edifícios residenciais”, comentou Rafael Lazzarini, diretor da Unidade Sustentabilidade do CTE. 

O movimento do mercado de capital em direção aos princípios ESG (Environmental, Social, and Governance) tem impulsionado ainda mais a busca por responsabilidade ambiental. Outro passo importante nesse processo evolutivo foi dado este ano com a criação da Rede Construção Sustentável (RCS). Composta por 47 empresas da cadeia produtiva, a Rede é um ecossistema de relacionamento e inovação que reúne fundos de investimento, administradoras de imóveis, escritórios de projeto, construtoras, incorporadoras e contratantes, além de fornecedores de materiais, instaladores e consultorias. 

O kick-off da RCS aconteceu no último dia 11 de maio em um evento online, com a participação de mais de 100 pessoas. “O objetivo é conduzir a cadeia produtiva a um novo patamar e estimular a formação de uma cultura de sustentabilidade com base na troca de experiências e na construção coletiva”, explicou Roberto de Souza, CEO do CTE.  

Criação compartilhada 

“A sustentabilidade se consolidou de tal forma que não há como retroceder”, analisou Wagner Oliveira, diretor da Unidade Operação Sustentável do CTE. “A criação da Rede é um marco e um feito porque ela congrega empresas importantes da cadeia que já têm um engajamento com o tema da sustentabilidade”, acrescentou Myriam Tschiptschin, gerente da Unidade Smart Cities do CTE. 

A RCS segue um modelo bem-sucedido de articulação setorial já adotado na Rede Construção Digital e Industrializada (RCDI) desde 2018. Os trabalhos envolvem uma série de atividades formatadas para atingir diferentes públicos nas companhias, de executivos às equipes operacionais. 

Entre maio e dezembro de 2021 serão promovidos oito workstations, eventos de aprofundamento técnico com quatro horas de duração. Eles oferecem uma imersão em um determinado assunto para ampliar o conhecimento dos profissionais.  

Também serão realizados dois Encontros para a Alta Direção, que oferecem oportunidades para que os CEOs e os executivos das empresas da Rede discutam questões que impactam o desenvolvimento de toda a cadeia. 

A programação da RCS prevê, ainda, dois Encontros com Startups para conectar as empresas com o ecossistema de inovação, além de dois Grupos de Trabalho. Esses últimos, visam desenvolver multiplicadores, proporcionar networking, construir autoridades nos assuntos e gerar e-books para disseminar conhecimento. 

Haverá, ainda, uma jornada de capacitação com 19 semanas de duração, inteiramente online e voltada à preparação das equipes para um mindset de inovação e voltado para a construção do futuro. 

“Ao longo dessa jornada coletiva, teremos alguns temas desafiadores, como as questões de saúde e bem-estar dos usuários, a sustentabilidade alinhada às metas ESG, o foco nos materiais sustentáveis, o desempenho de empreendimentos já em operação, os projetos regenerativos e a incorporação de tecnologias digitais”, listou Roberto de Souza.

Quem faz parte da rede?

As seguintes empresas já aderiram à RCS:

  • Fundos de investimentos: Brookfield, BSP Empreendimentos Imobiliários, GTIS Partners, Hines, GLP, Integral Brei, São Carlos, CBRE, JLL.
  • Incorporadoras, construtoras e contratantes: Artesano Urbanismo, Benx, Cyrela, Secretaria de Infraestrutura Urbana e Obras da Cidade de São Paulo, Gafisa, HTB, IdeaZarvos, Itahyê, Monto, Noah, RNI, Tenda.
  • Indústria: Amata, Cebrace, Daikin, Ecoquest, Interface, Knauf, Mercato, Somfy, Uniflex, Vedacit, Wilo.
  • Projetistas: Aflalo Gasperini, Cardim Arquitetura Paisagística, Chaguri, ETP – Escola Técnica Profissional, Gui Mattos, Geasa, Jugend, Perkins & Will, Kröner& Zanutto, Projetar, Superlimão.
  • Consultoria: CTE, UrbanSystems.
  • Instaladores: Equaliza, Star Center.
ator Redação enredes

Notícias Relacionadas