veja nosso
último artigo

Atualidade 6 de Novembro de 2020

A importância da Norma de Desempenho como reguladora da Construção Civil

Pedro Costa

RESUMO DO TEXTO

  • Elaborar um manual do usuário com todas as especificações é fundamental para a garantia da durabilidade da construção;
  • É imprescindível considerar a Norma de Desempenho como suporte à empresa;
  • É fundamental alinhar negócios rentáveis com bons impactos sociais à comunidade envolvida;
  • A digitalização e a industrialização só acontecem de fato quando existe melhor comunicação.

A Norma de Desempenho possui o papel de estabelecer padrões de eficácia nas edificações, além de determinar requisitos mínimos de qualidade às construções finalizadas. Ela apresenta obrigatoriedades e condições do empreendimento quanto a vida útil e impulsiona a indústria a desenvolver soluções próximas das necessidades do público.

Diante do imediatismo que o tema propõe ao setor da construção civil, o canal do enredes no Youtube apresentou a edição do webinar semanal pondo em destaque a “Inovação e Desempenho de Portas, Revestimentos Cerâmicos e Pinturas de Edificações”. Ao comando de Bob de Souza, CEO do CTE enredes, os convidados trocaram conhecimento e evidenciaram a importância desse assunto. Foram eles: Arnaldo Lima - Design Management Sustentabilidade e Bem Estar da Lock, Luiz Henrique Manetti - Gerente Técnico da Portobello, Kleber Tammerik - Gerente de Marketing da Suvinil e Roberto Pimentel - Sócio Fundador da Multidoor. 

Durante a apresentação, ficou clara a direção dos trabalhos das empresas representadas. Todos entendem que ao tratar de normas, sustentabilidade e usuários, é indispensável agir com cautela. “Devemos conduzir nossos trabalhos com muito cuidado e respeito ao meio ambiente, focando na qualidade dos nossos produtos e no consumidor”, defendeu Kleber T, da Suvinil.

Garantia de qualidade entre projeto, uso e manutenção

É impossível proporcionar qualidade sem relacioná-la a boa gestão. De acordo com Luiz M, mesmo com a existência de um elo na cadeia construtiva, seja de fabricantes até os usuários, se não houver gerência, não há garantia que os processos ocorram de modo correto. “Nesse sentido é bom termos uma visão ampla, fazendo com que todas as etapas da cadeia sejam boas”, explicou.

Segundo Kleber T, temos plena condição de auxiliar ainda em fase de projeto, mostrando pontos importantes que proporcionam qualidade à edificação. “Tudo é questão de bons elos, respeitando casos e, por fim, compreendendo a importância da manutenção”, afirmou. 

Outro ponto levantado pelo convidado da Multidoor, empresa líder em design e engenharia de portas no Brasil, é o baixo nível de cultura estabelecido entre algumas construtoras e projetistas. “É preciso mudar visões em relação às portas e o uso de madeira. Muitas construtoras ainda não se adaptaram em comprar por desempenho, mas por preço. Isso é complicado”, lamentou Roberto P. O profissional alega ser responsabilidade do projetista a especificação do produto pelo desempenho.

Arnaldo L, igualou a necessidade de manutenção de uma edificação com um carro. “Temos um manual que mostra todos os cuidados que precisamos ter com o automóvel - são os mesmos acertos periódicos que uma casa necessita”, falou. Para o representante da Lock, elaborar um manual do usuário correto e com todas as especificações, é fundamental para a garantia da durabilidade da construção.

A Norma de Desempenho em conformidade ao usuário

É imprescindível considerar a Norma de Desempenho como suporte à empresa. Assim defende Luiz M, da Portobello. Para o convidado, ao trazer especificações, o cliente entende o modo correto de comparar marcas e produtos. “Não é preciso ter medo, pois, entregando um bom serviço ou produto, só preciso ensinar o meu cliente a comparar”, resguardou. Luiz defende que empresas com bons produtos no mercado, devem ter a norma de desempenho como comparador.

Conforme disse Kleber T, com o passar do tempo a cadeia construtiva aprendeu que as tintas, portas ou revestimentos, são produtos apinhados de tecnologia - é por isso que dependem de normas técnicas. “A norma de desempenho é sim um documento importante para avaliar componentes como sistemas, mas também precisa de ajustes, principalmente ao tratar das tintas. Esse setor está devendo mais diretrizes ao mercado”, entendeu. 

A necessidade de atender às exigências dos usuários é um objetivo comum entre os participantes do webinar. Como lembrou Arnaldo L, temos vários sistemas construtivos disponíveis para uma mesma finalidade, e antes não existiam meios de garantir que determinada solução supriria as necessidades do empreendimento e do público. “Ter tudo muito bem especificado nas normas, traz melhor entendimento ao usuário”, explanou. 

Sustentabilidade e inovação

A inovação tecnológica e a sustentabilidade fazem parte do escopo das empresas representadas no webinar. De acordo com Kleber T, é fundamental alinhar negócios rentáveis com bons impactos sociais à comunidade envolvida. “Devemos conectar qualquer inovação ao meio ambiente, pois a sustentabilidade é sinônimo de excelência”, informou. O Brasil está caminhando em passos largos para colocar o BIM em todos os projetos,  proporcionando melhores oportunidades de industrialização ao canteiro. Porém, ainda falta comunicação. “Teremos que conversar melhor com todos os envolvidos para gerar soluções reais às obras”, falou Kleber.

Arnaldo L, recorda a necessidade dos construtores na busca responsável pela sustentabilidade. A efetiva industrialização do canteiro, diminuiria impactos negativos de obras tradicionais. “Geramos muitos resíduos e a migração para sistemas industrializados diminuiria isso. É importante escolher tecnologias corretas, pois assim é possível economizar com equipamentos de manutenção”, sugeriu. O convidado acredita ser primordial a melhoria de performance dentro das companhias para que no futuro possuam capacidade de sobrevivência.

Ao finalizar o debate, o anfitrião Bob de Souza, defendeu a conexão entre elos da cadeia produtiva. “Temos que acelerar a digitalização e a industrialização, pois temos tecnologia para isso. O que falta é diálogo” arrematou.

Assista ao webinar na íntegra: